Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rita da Nova

Ter | 28.02.23

The Pact, Sharon Bolton

No Discord do Livra-te, além das escolhas de livro para cada mês, temos sempre uma leitura conjunta extra que vai a votações — foi assim que The Pact, de Sharon Bolton, acabou na minha lista de livros para ler em Fevereiro. Como não leio muitos thrillers, mas acabo sempre por gostar quando o faço, achei que era uma boa maneira de ler um livro fora da minha zona de conforto.

 

the-pact-sharon-bolton.JPG

 

Comecei por gostar muito da premissa deste thriller psicológico: seis amigos adolescentes têm futuros promissores à sua frente, mas no Verão antes de entrarem na Universidade acabam por fazer com que uma brincadeira arriscada se transforme num acidente. Como consequência disso, uma mulher e duas crianças morrem.

 

They had a secret, you see, that summer. On the rare occasions, in years to come, when they talked about it, they could never agree quite how it started or whose idea it had been. Maybe at the beginning, none of them really intended to go through with it; maybe it had simply been something fun to talk about. The coolest dare imaginable; simple and yet so freakishly, thrillingly dangerous. None of them could have said when the talk became reality, when they realised it was actually going to happen. 

 

Megan, uma das raparigas do grupo, decide dar o corpo às balas e assumir a culpa — mas não sem antes fazer os amigos prometer que lhe, quando se libertar da prisão, cada um lhe deve um “favor”. Ora, vinte anos depois destes acontecimentos, Megan está cá fora e começa a cobrar esses mesmos favores. O resto deixo para que leiam, se tiverem curiosidade, pois não quero estragar a experiência de leitura a ninguém.

 

Como explicar o que achei deste livro? Tem o ritmo próprio dos thrillers, o que é positivo, já que me dava sempre vontade de ler para saber o que estava a acontecer, mas, por outro lado, achei-o demasiado “mastigado” em alguns pontos. Ou seja: acho que passamos demasiado tempo em suposições de coisas que nós, como leitores, já percebemos, e pouco tempo a construir com solidez a forma como a história acaba — e o twist final.

 

Em resumo: às tantas já me estava a irritar, mas pode ser um bom livro para limpar o palato entre leituras mais densas, se assim precisarem. Uma coisa é certa, eu já só queria acabar de ler para garantir que ainda conseguia surpreender-me e, mesmo que não tenha sido a melhor coisa da vida, pelo menos fiquei super agarrada nos capítulos finais.

 

Já leram este livro? Se sim, o que acharam?

1 comentário

Comentar post