Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rita da Nova

23.11.18

Os livros da Rita // O Pequeno Amigo, Donna Tartt

Rita da Nova
Descobri Donna Tartt no ano passado, com o primeiro de três livros que escreveu - A História Secreta. Como partilhei na altura aqui pelo blog, foi uma leitura intensa e demorada. Apesar de ter gostado da escrita, não morri de amores pela história. No início deste ano decidi dar uma oportunidade a O Pintassilgo e li-o quase todo num fim-de-semana grande. Foi um dos livros deste ano, definitivamente.  Andei durante meses em busca de O Pequeno Amigo, o filho do meio da autora. Uma (...)
02.10.18

Os livros da Rita // This Should be Written in the Present Tense, Helle Helle

Rita da Nova
Durante a primeira viagem que eu e o Guilherme fizemos, aquela que era para ser a Dublin e acabou por ter Paris como destino, o Guilherme tirou-me uma série de fotografias na Shakespeare and Company - uma livraria independente que vende bastantes livros em inglês. Numa das fotografias eu estou a folhear um livro cujo título me chamou a atenção: ( Ler mais )
25.09.18

Os livros da Rita // Ele Está de Volta, Timur Vermes

Rita da Nova
Nos workshops de Escrita Criativa falamos muito sobre a pergunta “E se?”. Esta questão dá, frequentemente, origem a premissas de histórias incríveis. E é este o ponto de partida de Ele Está de Volta, de Timur Vermes: e se Hitler voltasse à Alemanha de 2011? Confesso que foi isto que me levou a ter muita vontade de ler este livro, que já estava debaixo de olho há algum tempo. ( Ler mais
06.09.18

Os livros da Rita // I Know Why the Caged Bird Sings, Maya Angelou

Rita da Nova
Eu sabia que ia ser doloroso ler o I Know Why the Caged Bird Sings da Maya Angelou. Afinal, por mais alerta que estejamos para uma série de problemas da sociedade (entre eles, obviamente, o racismo), nem sempre estamos preparados para ler relatos de quem sofreu esses problemas na pele.  Este livro é a primeira de sete autobiografias e leva-nos a conhecer a história de Maya Angelou nos seus primeiros anos de vida, mais concretamente até aos 16. É curioso perceber como é a visão de (...)