Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rita da Nova

06.12.18

O nosso casamento

Rita da Nova
Antes que comecem para aí com os “até que enfins” da vida, sim, eu sei. Faz no sábado cinco meses que casámos e eu ainda não vos tinha falado deste dia tão maravilhoso. Primeiro pôs-se a lua-de-mel e depois a espera pelas fotografias, sem as quais não me fazia sentido nenhum escrever sobre o nosso casamento. Assim que elas chegaram à caixa de e-mail perdi-me a recordar todos os detalhes daquele dia e, como não poderia deixar de ser, acabou comigo a chorar baba e ranho outra vez. 
08.11.18

Os meus guilty pleasures

Rita da Nova
Em Julho do ano passado, o SAPO convidou-me para responder a uma série de perguntas sobre as minhas rotinas e hábitos com o blog. Uma das questões era “um post que está sempre a adiar para amanhã” e eu lembro-me de ter falado da minha lista de ideias para posts, onde vou buscar alguns temas que fogem um bocadinho à minha linha de conteúdos.  E disse também que gostava muito de escrever (...)
07.11.18

Palavras Cruzadas // Esta conversa de ter filhos

Rita da Nova
Uma coisa. Uma única coisa para mudar no mundo. O meu lado mais humano e altruísta disparou logo para uma série de possibilidades: não haver cancro, aumentar os níveis de empatia, acabar com o aquecimento global. Tanta coisa que podia fazer e, ainda assim, uma pequena parte de mim fugiu a tudo isto e decidiu concentrar-se num problema que é mais meu do que dos outros.  Se eu pudesse mudar uma coisa no mundo, mudava definitivamente as ideias que existem sobre a maternidade. Sobre o (...)
29.10.18

Dia Mundial da Psoríase

Rita da Nova
Lembro-me, como se fosse hoje, do momento em que me diagnosticaram psoríase. Já era mais ou menos de esperar que tivesse alguma patologia dermatológica, já que eu saio ao meu pai em (quase) tudo e nisto também não deveria ser diferente. Eu não sabia sequer o que significava a palavra “psoríase” e, muito menos, que seria constante na minha vida a partir daquele dia.  É a doença dos três nãos, disse-me o médico. Não mata, não se transmite e não tem cura. Os dois (...)