Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rita da Nova

06.08.19

Os livros da Rita // Normal People, Sally Rooney

Rita da Nova
O Normal People, da Sally Rooney, é possivelmente o livro que mais vi ultimamente pelo Instagram, blogs e mundos da internet no geral. E eu nem costumo ir em modas literárias (veja-se o facto de eu só estar a ler Harry Potter agora), mas algumas pessoas cujo gosto eu respeito e partilho recomendaram, então decidi dar-lhe uma hipótese.     Como já vos mostrei por aqui, comprei-o na minha tarde de passeio pelas livrarias de Londres e acabei por ler quase metade no voo de regresso - (...)
30.07.19

Os livros da Rita // Wild Swans, Jung Chang

Rita da Nova
Demorei muito tempo a ter coragem para pegar no Wild Swans: Three Daughters of China, da escritora Jung Chang. Com quase 700 páginas, é um livro enorme e isso por vezes demove-me um pouco da leitura - não gosto da ideia de ficar presa a um livro durante demasiado tempo. E, de facto, foi isso que aconteceu com este, já que demorei cerca de um mês para o ler.     O tema d’Uma (...)
25.06.19

Os livros da Rita // As Vozes de Chernobyl, Svetlana Alexievich

Rita da Nova
A mini-série Chernobyl, da HBO, é um pequeno sucesso televisivo - por ser a primeira vez que esta catástrofe é abordada desta forma; pela visão humana do que se passou; pela fotografia lindíssima. A série capta a beleza que existe em tudo o que é trágico, e isso foi o que mais gostei. Depois de ter devorado os cinco episódios de 1h numa assentada, decidi agarrar-me ao livro que inspirou o criador da série - As Vozes de Chernobyl, de Svetlana Alexievich.     A autora conseguiu (...)
14.06.19

Os livros da Rita // Harry Potter and the Prisoner of Azkaban, J. K. Rowling

Rita da Nova
A minha aventura em Hogwarts continua e dei por mim tão perdida neste terceiro volume da saga Harry Potter - Harry Potter and the Prisoner of Azkaban - que acabei por eleger este livro como a minha leitura para o tema de Junho d’Uma Dúzia de Livros (um livro sobre um sítio que não conhecemos).     Começo por vos dizer que foi, de longe, o livro (e o filme) de que mais gostei até agora - apesar de achar que as adaptações para cinema continuam a não fazer jus às narrativas da (...)