Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rita da Nova

31.03.20

Os livros da Rita // Nem Todas as Baleias Voam, Afonso Cruz

Rita da Nova
Afonso Cruz, meu Afonso Cruz do coração. Não é novidade para ninguém que eu sou fã assumida deste escritor - pela forma aparentemente fácil como explica sentimentos complexos e pela mestria que demonstra a ligar personagens e narrativas que aparentemente nada têm a ver umas com as outras.     Há elementos que são muito característicos nos enredos de Afonso Cruz: cenários de guerra e conspirações, música e personagens com capacidades estranhas. Em Nem Todas as Baleias Voam encontramo (...)
10.01.20

Os livros da Rita // Jesus Cristo bebia cerveja, Afonso Cruz

Rita da Nova
Jesus Cristo bebia cerveja, de Afonso Cruz, foi o livro que trouxe de 2019 para acabar de ler este ano. Não pensem que é porque é demasiado complicado de ler (pelo contrário!). Eu é que me esqueci dele no trabalho nos dias de Natal, então comecei outro para aproveitar os dois dias de leitura. Recomecei este há uns dias e provou ser mais um dos livros amorosos do autor.     Começa logo pela premissa: Rosa, uma jovem alentejana, e Professor Borja, de 70 e poucos anos, decidem (...)
25.02.19

Os livros da Rita // A Boneca de Kokoschka, Afonso Cruz

Rita da Nova
Não é novidade para ninguém que o Afonso Cruz é o meu autor português favorito. Ando a ler os livros dele aos pouquinhos - para não os gastar já todos - e ainda me faltam alguns que são considerados as suas maiores obras, como Para onde vão os Guarda-Chuvas e Jesus Cristo Bebia Cerveja. Curiosamente, tenho-os a ambos na estante à espera de serem escolhidos.     Ler Afonso Cruz é saber que vamos entrar num mundo onde a complexidade se disfarça de simplicidade e tranquilidade, (...)
26.12.18

Os livros da Rita // O Princípio de Karenina, Afonso Cruz

Rita da Nova
O Princípio de Karenina não é o típico livro de Afonso Cruz, pelo menos não o Afonso Cruz a que estou habituada. O que não significa que não seja bom, é só diferente. Quando saiu apressei-me a comprá-lo e decidi fazer dele um dos últimos livros de um 2018 demasiado recheado de leituras fortes, por isso soube bem mergulhar nas páginas tranquilas e meio melancólicas desta narrativa.     Toda a história é contada em forma de carta, de um pai para uma filha que não viu (...)