Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rita da Nova

Palavras Cruzadas // Comédia = Tragédia + Tempo

Sempre admirei a capacidade que o meu Pai tinha (e tem) de fazer piadas com coisas sérias. Os temas “de adulto” nunca foram tabu para ele - Se eu não levar as coisas assim, levo como?, perguntava muitas vezes, normalmente quando reprovavam uma piada ou comentário jocoso acabados de fazer. A mim, sendo miúda, esta atitude do meu Pai parecia-me o compromisso perfeito entre ser-se adulto sem se levar demasiado a sério.

 

À medida que fui crescendo serviu-me sempre como um bom ensinamento, sobretudo por ser uma pessoa mais reservada e séria. Nunca achei que houvesse assuntos de que o humor se devesse afastar porque aprendi com o meu Pai a usá-lo para me curar - para não dramatizar tanto as situações, para não viver tão triste ou pessimista.

 

comedia-palavras-cruzadas.jpg

 (Imagem do Pinterest)

 

Estava longe de saber que uma das formas de definir a comédia é através da soma da tragédia e do tempo. Eu já o sabia instintivamente, mas aprendi-o de forma mais académica mais tarde, numa cadeira de Escrita de Comédia com o Ricardo Araújo Pereira. Possivelmente há outras formas de dizer o que significa esta nossa capacidade de rir, mas eu gosto desta porque está mais próxima de mim e da forma como cresci.

 

Estava também bastante longe de saber que, um dia, iria partilhar a casa e a vida com um comediante. E que isso me iria ajudar a confirmar a minha maneira de ver o humor: como um recurso essencial para sobrevivermos sem darmos em loucos neste mundo que é cada vez menos mundo.

 

Acho que nunca me senti ofendida com uma piada, muito menos com as que são dirigidas a mim. Na maioria das vezes sou a primeira a fazê-lo, mas acho que encontrei o meu tom, um equilíbrio perfeito entre a palhaçada que herdei do meu Pai e a seriedade que nasceu comigo. Chama-se sarcasmo, mas também há quem diga que sou ácida ou cáustica. Eu cá não me importo.

 

____

Este é o 11º post da rubrica Palavras Cruzadas, criada em parceria com o P.A. e, quem sabe, convosco também. Se ainda não leram pelo menos um destes posts, onde é que têm andado? O tema desta quinzena foi ideia do P.A., por isso é a minha vez de lançar o desafio da próxima quinzena. Vai em forma de pergunta: se só pudesses comer um alimento para o resto da tua vida, qual seria e porquê?

4 comentários

Comentar post