Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rita da Nova

Qui | 04.03.21

Goodfellas

Tinham saudades deste segmento sobre filmes aqui pelo blog, o Filmes em 2ª Mão? Bem sei que não o tenho actualizado, mas a realidade é que eu e o Guilherme temos passado pouco tempo juntos ao fim-de-semana e, à noite durante a semana, eu sou a pior companhia para ver filmes. Sim, admito, sou daquelas que adormece sem vergonha alguma – mas, em minha defesa, quando uma pessoa adormece não tem propriamente como avisar, não é? 

 

stuart-holroyd-goodfellas-small.jpg

 

No outro dia, porém, deu-se um milagre nesta casa: vimos o Goodfellas depois de jantar e eu aguentei-me até ao fim. Até achei estranho porque eu já tinha visto há muitos anos – este era uma das “falhas” do Guilherme –, por isso podia-me dar para estar mais encostada. Acho que isso mostra que continua a ser um bom filme, independentemente do tempo que passou desde que foi criado.

 

Para quem nunca viu, Goodfellas é o típico filme de máfia, realizado pelo Scorsese. Não é assumidamente o meu tipo de filme, mas acho que deste gostei porque foi dos primeiros que vi dentro do género. Basicamente conta a história de Henry (Ray Liotta), que desde jovem se insere na máfia e acaba por crescer lá dentro sem ter muitos escrúpulos nem preocupações sobre as coisas horríveis que o grupo faz. O que começa por ser um embelezamento da vida de mafioso acaba por se revelar bastante negativo e ter consequências directas na vida de Henry. 

 

Claro que, hoje em dia, o filme já não é particularmente incrível nas cenas mais agressivas, mas continua a ter diálogos e personagens muito bem construídas – gosto especialmente do papel do Joe Pesci, que ganhou inclusivamente um Oscar. A única coisa que eu dispensava era o papel estereotipado da mulher de Henry, Karen, que a certos momentos chega até a roçar a histeria. Não dei muita importância a este ponto da primeira vez que vi o filme, mas agora tornou-se até penoso de ver (acho que isso quer dizer que estou mais crescida, talvez?). 

 

De qualquer das formas foi uma experiência interessante rever, pelo que se ainda não atacaram este clássico, façam-no. Pode não ser a vossa praia, como não é a minha, mas é um bom filme e, na minha opinião, muito mais fácil de ver do que, por exemplo, o recente Irishman. Há aí alguém com vontade de (re)visitar o mundo da máfia Italo-americana? 

2 comentários

Comentar post