Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rita da Nova

Qua | 12.05.21

Ghosts, Dolly Alderton

Há algo que agradeço várias vezes (quase todos os dias), que é o facto de ter encontrado alguém antes da moda das dating apps. Acredito que sejam uma excelente forma de conhecer pessoas novas quando se está solteiro, sobretudo no contexto que vivemos, mas tenho a certeza de que não me teria dado bem com o processo. Pensei ainda mais sobre isto enquanto lia Ghosts, de Dolly Alderton – o primeiro livro de ficção da autora. 

 

ghosts-dolly-alderton.JPG

 

É perfeitamente compreensível que este livro seja um sucesso, dado que é um retrato muito fiel do que é ser-se solteira aos trinta, nos dias de hoje. Obviamente que eu não tenho essa experiência, mas contacto com muitas mulheres que não têm namorado ou marido, para quem a pressão de “encontrar alguém” é bem real. Se a esta pressão adicionarmos a mania que algumas pessoas têm de fazer ghosting a alguém com quem andam a sair ou estão a namorar, desaparecendo sem dizer nada, temos aqui um cocktail perfeito para cenários de ansiedade e desespero. 

 

If I wanted to get anywhere in dating apps, I'd have to toughen up. 'It's cut-throat,' she informed me. 'You can't personalize this process. You've got to be in it to win it. You need to be fighting fit and stay focused. It's why it's a young man's game.’

 

Em Ghosts, Dolly Alderton fala de todos estes temas através da história de Nina, uma food writer, para quem a profissão parece ser a única coisa a correr bem. Além de ter terminado um relacionamento de sete anos, tem também de lidar com os primeiros sinais de demência do pai e com uma mãe que vive em negação. À sua volta, todas as amizades começam a casar e a ter filhos, à excepção de Lola, a amiga “eternamente solteira”. Quando começa a experimentar conhecer pessoas através de dating apps, Nina rapidamente percebe que encontrar o amor desta forma vai ser mais complicado do que parece. 

 

Being a heterosexual woman who loved men meant being a translator for their emotions, a palliative nurse for their pride and a hostage negotiator for their egos.

 

Nunca tinha lido nada da Dolly Alderton e adorei, tanto o estilo de escrita como o humor britânico que está sempre subjacente. Porém, achei que a narrativa poderia ter sido melhor, achei-a bastante previsível em algumas partes, mas em geral cumpre o propósito de alertar para vários temas. 

 

Uma das coisas que procuro quando leio é contactar com realidades bastante diferentes da minha, com histórias que me façam relacionar-me com algo que não vivi, que aumentem a minha empatia em relação ao percurso das outras pessoas. Ghosts conseguiu tirar-me da minha vida de mulher casada e feliz, mostrando-me todo um cenário que eu não tenho que considerar no dia-a-dia. Pessoas que andam à procura do amor em dating apps, que já foram vítimas de ghosting ou que tiveram que se contentar com uma pessoa qualquer só para não estarem sozinhas, I feel you e espero que as coisas melhorem para vocês. 

 

Sei que foi recentemente editado em português pela Cultura Editora, com o título Estás aí?, por isso mesmo que não se sintam à vontade em ler em inglês, têm uma alternativa. Agora vamos lá a saber: quem já leu este livro? O que acharam?

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Rita da Nova

    12.05.21

    Hahahah nada a desculpar, é óptimo quando um livro, uma história ficcionada, nos põe a considerar a nossa postura na vida e as nossas decisões. Lê, acho que vais gostar! 😊
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.