Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rita da Nova

Qui | 03.12.20

Exciting Times, Naoise Dolan

O que é que acontece quando leio uma review de um livro e comparam a autora com Sally Rooney? Vou, obviamente, comprar o livro - Exciting Times, de Naoise Dolan, no caso. Tal como aconteceria com um livro da Sally Rooney, li esta novela em apenas um dia, até porque não é particularmente grande e eu estive uma manhã inteira no cabeleireiro com tempo para gastar. Embora perceba as comparações entre as duas escritoras - são ambas irlandesas e têm um estilo de escrita muito semelhante -, ainda não tenho a certeza do que achei sobre este livro.

 

exciting-times-naoise-dolan.jpg

 

Aliás, quanto mais penso sobre ele, menos certezas tenho. Dando-vos contexto: Exciting Times é contado na perspectiva de Ava, uma rapariga irlandesa de 22 anos que vai para Hong Kong dar aulas de inglês a crianças, onde conhece Julian (do Reino Unido). Ele é ligeiramente mais velho e desenvolvem uma relação meio Marianne e Connell em Normal People, mas eu diria que não tão bem construída porque esta tem uma dinâmica de poder clara - Julian tem bastante mais dinheiro que Ava e acaba por sustentá-la durante meses. Quando ele se ausenta durante uma temporada em trabalho, Ava conhece Edith, local, por quem se apaixona e a quem esconde a relação que tem com Julian.

 

You keep describing yourself as this uniquely damaged person, when a lot of it is completely normal. I think you want to feel special - which is fair, who doesn’t - but you won’t allow yourself to feel special in a good way, so you tell yourself you’re especially bad.

 

Esta espécie de triângulo amoroso, a forma como as personagens se relacionam entre si e a indecisão de Ava em relação aos dois foram as coisas de que mais gostei no livro. A escrita também é competente, mas nada que me tenha deixado especialmente impressionada. Apesar disso, todo o cenário em que se passa o livro pareceu-me um pouco descabido e sem grande contexto ou motivação das personagens. Tudo se passa em Hong Kong, mas Ava quase que só se dá com pessoas que são de países vizinhos do dela, não há grande explicação para ela estar a dar aulas lá… enfim, acho que teria enriquecido a história e as personagens se o enquadramento fosse um bocadinho mais desenvolvido.

 

De qualquer das formas, é uma leitura relativamente leve e interessante se tiverem interesse em temas LGBTQ+ ou simplesmente em relações humanas. Já tinham ouvido falar do livro ou de Naoise Dolan?

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.