Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rita da Nova

11.06.19

Os livros da Rita // Os meus sentimentos, Dulce Maria Cardoso

Rita da Nova
Os meus sentimentos, de Dulce Maria Cardoso, é um daqueles casos de um livro que se estranha e só depois realmente se entranha. Mal a narrativa começa percebemos que a personagem principal - que é também a narradora - está dentro de um carro capotado, presa apenas pelo cinto de segurança. Basta juntar as peças e rapidamente percebemos que está morta ou prestes a morrer.     A partir daí, acompanhamos esta pessoa com “nome de flor que também é uma cor”, numa viagem ao (...)
10.05.19

Os livros da Rita // The Sun and Her Flowers, Rupi Kaur

Rita da Nova
Um disclaimer antes de começar a falar concretamente sobre o livro The Sun and Her Flowers, de Rupi Kaur: eu não costumo gostar de ler poesia, nem faço muito por contrariar a opinião que tenho relativamente a este tipo de literatura. Talvez por isso a experiência de ler este livro se resuma a uma palavra - descoberta.     Se não fosse o tema de Maio d’Uma Dúzia de Livros - (...)
07.05.19

Os livros da Rita // Harry Potter and the Chamber of Secrets, J. K. Rowling

Rita da Nova
Como podem ver, continuo bastante empenhada na tarefa de ler toda a saga Harry Potter pela primeira vez. Sim, é verdade - se só chegaram agora aqui ao blog, ficam a saber que nunca antes tinha lido estes livros ou visto a adaptação em filme.     Depois de ter partilhado aqui a minha opinião do primeiro livro - Harry Potter and the Philospher’s Stone - recebi (...)
03.05.19

Os livros da Rita // Middlesex, Jeffrey Eugenides

Rita da Nova
I was born twice: first, as a baby girl, on a remarkably smogless Detroit day in January of 1960; and then again, as a teenage boy, in an emergency room near Petoskey, Michigan, in August of 1974.   É assim que começa o livro Middlesex, escrito por Jeffrey Eugenides - autor de outras narrativas muito conhecidas, como Virgens Suicidas. Embora me tivessem recomendado o livro algumas vezes, parti quase às cegas para esta leitura (o que, admito, foi o melhor que poderia ter feito).