Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rita da Nova

Qui | 17.02.22

Sinopse de Amor e Guerra, Afonso Cruz

Não é segredo para ninguém que Afonso Cruz é um dos meus autores favoritos — agora que penso nisso, é provável que comece todas as reviews de livros dele assim, mas pelo menos sou coerente. Depois de ter lido O Vício dos Livros, estava a fazer-me falta um Afonso Cruz de ficção, pelo que fiquei muito contente quando saiu este Sinopse de Amor e Guerra.

 

sinopse-amor-guerra-afonso-cruz.jpg

 

É o segundo livro da colecção Geografias, onde o autor centra a narrativa em diferentes pontos do globo — o primeiro, Princípio de Karenina, passa-se entre o Vietname e o Camboja. Devo confessar que me relacionei mais com este segundo, cuja acção se desenrola depois da II Guerra Mundial, em Berlim. Tenho um fascínio muito grande por esse período da história e gosto sempre de ver narrativas passadas nessa época.

 

Falando-vos um pouco da premissa: embora as personagens principais, Theobald e Bluma, pareçam feitos um para o outro, a construção do Muro de Berlim vem desafiar o destino. De um momento para o outro, duas pessoas que estão juntas desde sempre, vêem-se separadas por uma construção de pedra que afectou centenas de famílias.

 

Sabem o que é que eu senti, apesar de ter adorado ler este livro? Que o enredo que Afonso Cruz construiu não passou disso mesmo, de uma premissa. Havia tão mais para explorar aqui, tive sempre a sensação de que faltava detalhe e tempo para que as personagens marinassem, para que me identificasse com elas, para que entendesse as suas motivações. Pareceu-me efectivamente mais uma sinopse ou um conto do que uma novela, mas tinha potencial para muito mais. 

 

Enquanto a guerra é uma tragédia, a maior de todas, o amor é uma felicidade, a maior de todas, mas há algo em comum: quando se ausentam, qualquer um deles, deixam uma ferida eterna na proporção da perda que oferecem.

 

Não me interpretem mal, eu amo Afonso Cruz e tudo o que ele escreve — tenho a certeza de que leria com o mesmo interesse se ele deixasse alguma coisa escrita num livro de reclamações, por exemplo. Mas, por isso mesmo, precisava de mais. Afonso, se por acaso houver um milagre e leres esta modesta review, por favor, dá-me mais num próximo livro. Gosto muito de ti e escreves como ninguém, não te preocupes que antes a mais do que a menos.

 

Desse lado, já leram o mais recente livro do autor? O que acharam?