Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rita da Nova

Qui | 25.03.21

Clap When You Land, Elizabeth Acevedo

PÁREM TUDO! ESTE É O MELHOR LIVRO QUE LI ESTE ANO. Agora que agarrei a vossa atenção: ouvi falar deste Clap When You Land, de Elizabeth Acevedo, como sendo um livro muito bonito, mas bastante triste. Ora, vocês conhecem-me e sabem que é a descrição perfeita para me deixar com vontade de pegar numa nova leitura. E o que vos posso dizer é que ainda gostei mais do que estava à espera, fartei-me de chorar no fim, mas não me tenham como bitola porque eu tenho uma tendência grande para chorar com livros assim. 

 

clap-when-you-land-elizabeth-acevedo.jpg

 

Dois meses depois do 11 de Setembro, um avião que ia de Nova Iorque para a República Dominicana caiu devido a um problema técnico e teve mais de 250 vítimas mortais como consequência. Elizabeth Acevedo, sendo de origens dominicana, ficou presa àquele acontecimento – sobretudo depois de conhecer as histórias das vítimas, na sua grande maioria dominicanos. 

 

Este livro, escrito em forma de verso, é ficção, mas muito baseado na realidade. Uma das coisas que a autora descobriu quando leu sobre este acidente foi que havia muitas pessoas, sobretudo homens, com uma vida dupla – duas famílias, uma em Nova Iorque e outra na República Dominicana, e esse foi o ponto de partida para Clap When You Land. Escrito a duas vozes, conta a história de Camino Rios e Yahaira Rios, irmãs que só sabem da existência uma da outra quando o pai delas falece neste acidente.  

 

Can you be from a place

you have never been?

You can find the island stamped all over me,

but what would the island find if I was there?

Can you claim a home that does not know you,

much less claim you as its own?

 

Não quero nada contar-vos muito mais sobre a história porque é deliciosa de ler – bem escrita, emocional da maneira certa e com uma nota positiva sobre o poder de partilhar a dor com os outros. Foi uma das melhores coisas que li este ano, só posso dizer coisas boas e recomendar que leiam também! Já conheciam?