Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Rita da Nova

Sex | 16.11.12

Budapeste, uma jóia atravessada pelo Danúbio

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Budapeste. Era uma paragem incontornável nesta viagem, acima de tudo porque fazia parte de uma lista de cidades "a visitar com urgência". A primeira coisa que posso dizer é que impossível que alguém fique desiludido com Budapeste. Por mais coisas boas que se oiça ou por mais fotografias bonitas que se veja, a cidade tem o dom de maravilhar um bocadinho mais a cada minuto que passa. Não é um encanto que vem das pessoas que lá moram, até porque Budapeste já é muito turística e não achei que os húngaros fossem um povo especial. É qualquer coisa que está nas ruas, no ar e nos edifícios. A vida de Budapeste está-lhe cravada nas pontes e flui com o curso do Danúbio.

 

O melhor que há a fazer nesta cidade é, efectivamente, passear nas margens do rio. Por mais vezes que por lá se passe, a paisagem vai parecer sempre ligeiramente diferente e ligeiramente mais bonita. Pouco a pouco e muito devagarinho. Até que, no final, estamos irremediavelmente presos nela.

 

Budapeste era, na verdade, três cidades diversas. Eu diria que estão melhores juntas que separadas. A diversidade entre zonas existe - está claramente lá - mas elas fundem-se tão bem umas nas outras que a origem parece ser a mesma.

 

 

Há outra coisa nesta cidade que ainda não encontrei em mais lado nenhum: a Budapeste de dia e a Budapeste de noite são a mesma face de moedas diferentes. A paisagem é a mesma, mas parecemos transportados para um local totalmente novo à medida que o sol se põe ou quer nascer. E por mais que se tente capturar esta essência, parece que ela nos foge por entre os dedos ou que teima em desaparecer das fotografias que tiramos. A única forma de gostar de Budapeste na sua totalidade é indo lá. O que eu duvido é que haja uma forma de inverter o processo.

 

 
As cores de Budapeste têm o poder de encaixar umas nas outras com uma das maiores harmonias que eu já presenciei.
 
 
 
 
À noite, a cidade parece entrar num jogo de luzes interminável.
 
 
 
Há sempre qualquer coisa de inesperadamente bonito em Budapeste, mesmo em dias mais cinzentos.
 
 
Sex | 16.11.12

Aviso à navegação: a Rita voltou do inter-rail

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Um mês. Um mês de Europa, principalmente de leste. Um mês de comboios, de viagens nocturnas, de mochila às costas. Noites mal dormidas e dias bem passados. É curioso como, mesmo sem estar mais do que um par de dias em cada sítio, nunca me senti tão em casa como durante esta aventura. Se casa é onde está o coração - como muito se prega - então o meu ficou algures numa estação de comboios, no meio da Europa. E eu planeio ir lá visitá-lo de vez em quando.

Indo directamente ao que vos diz respeito: trouxe muito que contar. Os únicos souvenirs que vieram na mala foram as fotografias e os sorrisos (exceptuando os ímanes para alimentar a colecção da minha mãe e a cerveja para matar a sede do meu pai). Prometo falar-vos um bocadinho de cada destino, mas não prometo fazê-lo por ordem. Cada um foi especial à sua maneira e cada um me inspira a escrita de forma diferente.

Não consigo deixar de sentir um conforto especial por saber que consegui planear esta viagem e ir com ela até ao fim. E é um bocadinho desse calor que quero trazer-vos com cada post. Até já!