Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rita da Nova

Versatile Blogger Award e 7 factos aleatórios sobre mim

versatile-POST.png

 

No outro dia, quando a minha Joana fez anos e organizou um piquenique no Jardim da Estrela, conheci pessoalmente uma das minhas referências da blogosfera: a Marta Chan, autora do Viver a Viajar. Por isso imaginem o meu ar de tonta quando ela me disse que gosta muito do meu blog. Imaginem também o quão feliz fiquei quando ela me nomeou para ganhar um Versatile Blogger Award.

 

versatile-blogger-award-konacna.jpg 

 

“Mas que raio é isso?”, perguntam vocês e muito bem (eu também perguntaria). Basicamente, o Versatile Blogger Award é um prémio criado por bloggers com o objectivo de destacar outros autores de que gostem por algum motivo. A ideia é que este prémio seja quase um corrente de reconhecimento pelo trabalho que todos desenvolvemos com o blog, por isso há regras:

 

1. Temos que escrever e publicar um post no blog a agradecer e referir a pessoa (com o link do seu blog) que nos nomeou;

2. Nesse post, temos que referir 7 factos aleatórios sobre nós;

3. Por fim, nomeamos até 15 blogs que sigamos e que acreditemos serem merecedores de reconhecimento pelo seu bom trabalho.

 

Posto isto, vamos lá aos sete factos aleatórios sobre mim. Confesso que me diverti imenso a pensar em coisas que fossem suficientemente aleatórias para serem surpreendentes, mas acho que acabei por me lembrar apenas de factos curiosos.

 

1. Não sei piscar o olho

Muito pouca gente sabia (até agora) que eu não consigo piscar o olho. Quase que consigo piscar o direito, mas mesmo assim não deixa de parecer que estou à beira de uma trombose. E sim, eu já treinei muito para aprender a piscar o olho, e ainda assim não dá. Parece que as piscadelas de olho sexy são para esquecer comigo.

 

olho.jp

 

 

2. Tenho cinco irmãos

Embora não sejamos todos filhos do mesmo pai e da mesma mãe, a verdade é que nos damos todos como se fossemos - afinal de contas crescemos juntos. Tenho dois irmãos mais velhos e três mais novos (e só uma é que é rapariga). Confesso que por vezes foi confuso crescer no meio de tanta gente, mas também me ajudou a aprender várias estratégias de concentração - mesmo quando estava tudo aos gritos ao pé de mim - e a aproveitar ao máximo os momentos que tenho só para mim.

 

irmãos.jpg

 

 

3. Não gosto de assobios

Não tenho muitos ódios de estimação, mas as pessoas que assobiam constantemente dão-me cabo dos nervos. Mesmo que seja só para trautear uma canção ou chamar alguém, se oiço um assobio entro mesmo em parafuso, não sei porquê.

 

4. Conduzo como um homem

Acho que conduzo bem, embora tenha perfeita noção de que - por vezes - me transformo num autêntico taxista. Digo asneiras, refilo por tudo e por nada, fico impaciente e bruta. Mas calma: nunca pus a minha segurança ou a segurança dos outros em perigo! Gosto de pensar que uma forma de conduzir mais masculina também tem coisas boas, apesar de assim de repente não me lembrar de nenhuma.

 

5. Quando estou cansada "coisifico" tudo

É certo e sabido que, se chego a casa cansada, vai ser preciso um tradutor de Ritês-Português para conseguir comunicar comigo. O cansaço nem me afecta tanto o raciocínio, mas deixa-me completamente incapaz de articular uma frase direita. A solução? Chamo “coiso” e “coisa” a tudo. Safa-me o Guilherme, que tem muita paciência e me acompanha em diversas tentativas (e erros) de falar.

 

6. Não suporto que maltratem livros

Atrevam-se a dobrar, riscar ou rasgar um livro à minha frente! Ganhei um carinho muito especial aos livros enquanto objecto, provavelmente porque li muitos emprestados e quis sempre devolvê-los intactos aos seus donos. Mesmo o simples acto de atirar um livro ao chão me faz comichão. Sou também muito cuidadosa a transportá-los e mesmo a lê-los: quanto menos os dobrar, melhor.

 

livros.JPG

 

 

7. Tenho uma tatuagem e quero fazer mais quatro

Pelo menos mais quatro - por enquanto. Já sei exactamente o que quero e onde quero tatuar, está apenas a faltar acordar um dia e dizer “é hoje”. A minha primeira tatuagem aconteceu precisamente assim: um dia, em Turim, decidi que queria andar sempre uma recordação da experiência de Erasmus e daquela cidade. Tatuei um infinito atrás no pescoço, para simbolizar a eternidade de alguns momentos e para me lembrar constantemente que está tudo ligado - what comes around, goes around - e que é preciso ter muito cuidadinho com aquilo que fazemos aos outros, pois nunca se sabe o que pode acontecer. Quando fizer as restantes explico-vos a mensagem por detrás de cada uma delas.

 

tatuagem.JPG

 

 

Depois de ter pesquisado um bocadinho mais sobre o Versatile Blogger Award percebi que grande parte das pessoas a quem queria atribuir esta prémio já foram mencionadas por outros bloggers, por isso vou deixar apenas três nomes: a minha Joaninha, do blog Às Cavalitas do Vento; a amorosa Sara, do blog Little Tiny Pieces of Me; e a estilosa Inês do blog Moi by Inês. You go, girls!

 

E vocês, que bloggers nomeariam para este prémio ou gostariam que vos contasse sete factos aleatórios sobre si?

6 comentários

Comentar post