Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rita da Nova

Vamos conhecer Dublin?

Dublin foi, durante anos, a minha viagem de sonho. Eu sei que parece ridículo - normalmente a etiqueta “viagens de sonho” usa-se para marcar destinos longínquos, viagens caras ou voltas ao mundo. Não era esse o meu caso. Desde miúda que tinha um fascínio enorme por esta cidade e talvez tenha sido por isso que a escolhi para a primeira viagem com o Guilherme. Lembram-se daquela viagem a Dublin que acabou por ser em Paris? Essa mesmo.

A ida a Dublin só aconteceu uns meses mais tarde - antes disso ainda fomos a Madrid -, mas não podíamos ter tido uma pontaria mais certeira. Porquê? Porque chegámos na Sexta-feira Santa, um dos (raros) dias em que não se pode beber álcool na cidade. Íamos nós todos contentes, prontos a passar o final do dia em pubs, e demos por nós no quarto de hotel, depois de um jantar banhado em água. Tirando este pequeno “percalço”, esta viagem só me confirmou as expectativas que tinha criado durante anos. É que facilmente me imagino a viver ali - ali, onde as pessoas são incrivelmente simpáticas; ali, onde há sempre um pub para nos acolher da chuva; ali, onde se vai a pé para todo o lado e se é feliz só de caminhar.

dublin1

dublin2

 

Se Dublin faz parte dos vossos planos para viagens futuras, saibam que um fim-de-semana ou três dias bastam para a conhecer. Hoje trago-vos os meus pontos favoritos de uma cidade onde quero voltar rapidamente.

 

Trinity College

Se gostam de livros, têm que ir não só a Trinity College como à sua biblioteca. De certeza que já ouviram falar do famoso Book of Kells e é lá que podem vê-lo. E acreditem que está muito bem conservado! A biblioteca é muito mais pequena do que imaginei, mas mesmo assim consegue prender-vos durante bastante tempo.

trinity-college

 

 

Temple Bar

Num registo completamente diferente, não podem perder Temple Bar por nada deste mundo. Ir a Dublin e não passar tempo em pubs é ainda mais grave do que ir a Roma e não ver o Papa. Se quiserem fugir da confusão (boa sorte) optem por entrar nos bares menos conhecidos, e fujam do próprio do Temple Bar, que dá nome à área. Ainda assim, a minha recomendação é que entrem na mesma, nem que seja para o verem por dentro.

pub

 

 

Guinness Storehouse

Confesso que sempre achei que a Guinness Storehouse era um esquema para turistas e que não valeria a pena fazer uma visita, mas estava bem enganada. Para além de muito completa e interactiva, a tour deixa-vos mesmo com noção de como se faz esta cerveja e dá-vos a oportunidade de (tentar) tirar uma Guinness perfeita. No final ainda podem bebê-la com uma vista sobre a cidade à vossa frente.

guinness-storehouse

 

Powerscourt Centre

Um dos sítios que mais gostei foi o Powerscourt Centre, não tanto por ser um centro comercial, mas porque o edifício é lindíssimo e, antes, ficava lá o Counter Culture - o sítio do nosso primeiro almoço em Dublin, num registo saudável mas delicioso. Ao escrever este artigo percebi que mudou de instalações e podem encontrá-lo no cimo da rua. Vale bem a pena passar por lá para almoçar e, depois, dar um saltinho ao Powerscourt.

counterculture

 

 

George’s Street Arcade

Nunca tinha ouvido falar deste sítio, mas acabei por lá ir parar enquanto procurava o Yogism - que tem só o melhor frozen yogurt desta vida. Sei que já vos tinha falado deste sítio aqui, mas partilhar dicas boas nunca foi demais. As próprias arcadas, com um pequeno mercado, são muito giras para visitar.

yogism

 

 

Grand Canal

Situado na Walk North of the River, como dizem os irlandeses, o Grand Canal não é uma zona muito turística, mas é para lá que se estão a movimentar as principais empresas tecnológicas, como é o caso da Google. Tudo indica que se venha a tornar o próximo sítio trendy da cidade e eu aconselho-o vivamente para um passeio matinal. Só para terem uma desculpa para provar o maravilhoso brunch do Herbstreet, que tem as melhores blueberry pancakes que comi na vida.

grand-canal

herbstreet

 

 

St. Stephens Green

Não podia terminar este post sem vos recomendar um jardim. E acreditem que mesmo nos dias mais cinzentos e chuvosos, o St. Stephens Green tem um encanto especial. Percam-se por lá, junto ao lago ou apenas no relvado. Vão ver que é o complemento perfeito a uma visita pelos monumentos da cidade.

st-stephens-green

 

Podem ver mais fotografias desta viagem aqui.

Quais são os vossos sítios favoritos de Dublin? Ou ainda não conhecem e está nos planos?

7 comentários

Comentar post