Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rita da Nova

Restaurantes anti-rotina

Todos nós dizemos que agora é que é: chegou um novo ano e nós vamos mudar imensa coisa na nossa vida. A entrada de 2017 dá-nos vontade de ser uma pessoa completamente diferente, de ir para o ginásio, de deixar de fumar, de começar aquele hobby que andamos a namorar há tanto tempo.

Chegados a Abril, percebemos que essas resoluções duraram pouco tempo e, mais depressa do que julgámos ser possível, lá estamos nós sentados novamente no autocarro da rotina, a fazer sempre as mesmas viagens e a parar sempre nos sítios do costume. E os restaurantes que frequentamos não são excepção.

Ora - pelo menos para mim - os restaurantes são uma óptima forma de fugir à rotina, nem que seja por umas horas. Este mês trago-vos quatro restaurantes que vos vão proporcionar experiências, no mínimo, diferentes.

 

A Cevicheria

Repitam comigo: peixe cru não é só sushi. Quem já provou ceviche sabe perfeitamente que as maravilhas do peixe cru não se ficam pelo Japão. A América do Sul inventou um dos melhores pratos de sempre e o nosso Chef Kiko decidiu honrá-lo com pompa e circunstância. N’A Cevicheria podem provar-se pratos típicos do Peru e o menu de degustação é daqueles que vale cada cêntimo.

cevicheria.JPG

 

 

Bairro do Avillez

Megalómano. Arrojado. Irreverente. Foi assim que muita gente descreveu o Chef José Avillez aquando da abertura do seu Bairro. Como se os seus cinco restaurantes em Lisboa já não lhe dessem trabalho suficiente, decidiu abrir também o seu próprio bairro - sítio onde todos os lisboetas se sentem em casa. Para já está dividido em três partes: a Taberna (dedicada aos petiscos), o Páteo (centrada no peixe e no marisco, mas com soluções para todos os gostos) e a Mercearia, que nos permite levar um pouco do Bairro para casa. Se a comida vale a pena, o espaço é impressionante e, lá, as horas passam sem darmos conta.

bairro do avillez.JPG

 

 

Miss Jappa

O que não falta por aí são restaurantes com sushi de fusão, que nos inundam as peças com coisas que não sabemos o que são, nem nos damos ao trabalho de perguntar. Esqueçam tudo isso: para uma experiência que contrapõe a comida japonesa tradicional com a comida japonesa contemporânea, nada como visitar o Miss Jappa. Aqui todos os pratos nos são familiares, ao mesmo tempo que nos surpreendem com um twist. Não quero revelar muito mais para não vos estragar a experiência, mas a roleta russa de gunkans é obrigatória.

miss jappa.JPG

 

 

Pistola y Corazón

Chegamos, finalmente, ao restaurante que escolho sempre que preciso de escapar à realidade por uns momentos. Já quase todos tivemos uma experiência com comida mexicana, mas um sítio onde os empregados apenas arranham o português e onde o mote é comer “sin verguenza” é coisa para nos deixar rendidos. Ali tudo é familiar, tão familiar que não há talheres para comer. Os tacos e os totopos comem-se à mão e o picante alivia-se com margueritas ou com um dos mil cocktails da carta. E, por favor, não saiam de lá sem provar o Pastel Trés Leches.

taqueria.JPG

 

Que restaurantes, cafés ou bares vos ajudam a fugir à rotina? Contem-me tudo!

 

3 comentários

Comentar post