Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rita da Nova

Infame: a história de um namoro à janela

INFAME-POST.png

 

Reza a história que em Fevereiro de 1908, após o assassinato do seu marido e filho, a Rainha D. Amélia terá tentado agredir os regicidas com um ramo de flores, gritado “infames, infames”. Também reza a história - embora uma história bem mais recente - que o Intendente sempre foi propício a infâmias um pouco diferentes, uma reputação que está, aos poucos, a abandonar a zona.

 

A renovação do bairro deve-se, em parte, a espaços como o Infame - que ganhou nome pelas duas histórias de que vos falei. Situado no novo Hotel 1908 (esta data diz-vos alguma coisa?), o espaço apaixona-nos ainda antes de entrarmos, já que as janelas largas deste edifício de esquina nos deixam espreitar completamente lá para dentro. Tive, de facto, longo namoro à janela com este restaurante durante meses, até chegar a oportunidade de o visitar pela primeira vez.

 

infame-espaço.jpg

infame-espaço-1.jpg

 

Assim que me sentei para jantar, não quis poupar-me àquele primeiro encontro. E como não conseguimos escolher apenas duas entradas para partilhar, optámos pelo Trio Admira - traz Pica-pau com molho de mostarda antiga e pickles, Tártaro de salmão com cebolinho, algas e maionese de yuzu e Queijo amanteigado com broa de milho. Gostei dos três petiscos, mas, senhores, foi impossível resistir ao molho do pica-pau (tanto que não sobrou nem um bocadinho).

 

infame-couvert.jpg

infame-trio-admira.jpg

infame-trio-admira-1.jpg

 

A cozinha do Infame é, como a zona que escolheu para morar, uma mistura gigante de influências, cheiros e sabores. Ainda assim, tudo nos é familiar, por isso não estranhamos as combinações de ingredientes e de texturas. Dividimos dois pratos que me ficaram logo debaixo de olho: o Paul 2.0 (polvo ao vapor com azeite de alecrim, couve bok choy grelhada, batata-doce assada e crocante de massa de arroz com paprika) e o Flash Tuna (atum com crosta de sésamo e citrinos, salada coleslaw asiática, quinoa e amaranto com abacate e beterraba). Ambos estavam muito bons, mas o atum foi o meu favorito por ser leve, fresco, mas com sabor muito rico de inspiração asiática.

 

infame-paul.jpg

infame-flash-tuna.jpg

 

A noite estava a correr tão bem - era sexta-feira e o fim-de-semana adivinhava-se preguiçoso -, que não quis deixar o Infame sem saborear algo mais doce. E, mais uma vez, a indecisão levou-nos a partilhar duas sobremesas, muito semelhantes na apresentação mas opostos no sabor. O Bolo da Má Vida é a estrela da casa e é feito com tâmaras e vem acompanhado com gelado de canela, caramelo e calda de tâmaras - era doce, mas de uma maneira que só as tâmaras conseguem ser. Já a Bomba de Chocolate era intensa, com diferentes texturas de chocolate, trazia gelado de chocolate branco, pimenta-rosa e petazetas de chocolate a complementar.

 

infame-bolo-ma-vida.jpg

infame-bomba-chocolate.jpg

 

Saí do Infame com a sensação de que ficou muita coisa por provar e ainda bem. Tenho a certeza que vou regressar e, quem sabe, começar pela Pasta Valmor, pelo Duck Pond ou até pelo brunch que ali é servido aos fins-de-semana e existe em versão vegetariana. Seja como for, o que interessa ali é atirarmo-nos à comida sem vergonha, como se não houvesse amanhã - afinal, lembrem-se que naquele bairro já se passaram infâmias bem piores.

 

Já tinham ouvido falar do Infame ou já tinham experimentado? Partilhem as vossas impressões comigo, ali nos comentários.

 

Infame Menu, Reviews, Photos, Location and Info - Zomato

6 comentários

Comentar post