Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Rita da Nova

642 Things to Write About (#1)

Nos meus workshops de Escrita Criativa costumo recomendar o livro 642 Things to Write About como uma excelente ajuda quando queremos escrever mas nos sentimos bloqueados. O nome diz tudo: este livro dá-nos 642 premissas de escrita, das coisas mais divertidas às mais bizarras. A verdade é que é uma excelente forma de começarmos a escrever sobre assuntos diferentes e de formas que normalmente não faríamos.

 

642-things-to-write-about.jpg

 

Achei que ter o livro lá por casa e não lhe dar uso seria um grande desperdício, por isso decidi criar uma nova rubrica aqui no blog em que escrevo o que ele me manda. Gostava muito que arriscassem também e se juntassem a mim. Se o fizerem, por favor identifiquem-me nos posts e/ou avisem-me. Para este primeiro pedi ajuda ao Guilherme, que escolheu a página e a premissa por mim.

 

Calhou assim:

Tu és a Morte. Escreve três parágrafos diferentes de abertura da tua auto-biografia, experimentando estilos diferentes.

 

(1)

Isto de ser a Morte pode parecer muito engraçado, mas é coisa para durar toda a vida e para além dela. Nunca tinham pensado sobre isso, pois não? Vocês nascem, vivem e morrem. Eu nasci, vivo e mato. Aliás, é mesmo isso que quero fazer ao escrever esta auto-biografia: matar o tempo.

 

(2)

O que sempre fez mais confusão à Dona Maria de Lurdes - Milu para quem a conhecia melhor - foi o facto de a criança ter nascido morta e, ainda assim, viver. Ninguém está preparado para ter um filho complicado, muito menos para dar à luz o Anti-Cristo, mas pode dizer-se que aquela mãe criou a Morte como se fosse a maior benção da vida dela.

 

(3)

Tenho aquilo que muita gente queria, mas no meu caso serve-me de pouco. Sou conhecida por toda a gente, em todo o lado - o que nem é bom para a profissão porque deixa de haver efeito surpresa. É ingrato, andar nas bocas do mundo pelas piores razões. Hoje quero contar-vos a minha história e, quem sabe, passarão a ter um pouco de compaixão por mim e por este fardo que carrego em forma de foice.

 

 

O que acharam do desafio e do resultado final? Confesso que, mais do que colocar-me no lugar da Morte, a parte mais difícil foi pensar em três estilos diferentes. Vão juntar-se a mim e às 642 Things to Write About?

 

15 comentários

Comentar post